segunda-feira, 30 de abril de 2012

Você sabe o que é Ecoeficiência?

Publicado em 15/03/2012 às 22:24
É o uso inteligente dos recursos. Tem como proposta reduzir os impactos ambientais através da adoção de sistemas que tornem a produção e seus gastos energéticos mais eficientes. Em termos gerais, é fazer mais com menos.
Este conceito vem sendo adotado por empresas do mundo inteiro, assegurando que seus sistemas de produção, produtos e serviços sigam condutas como a minimização do consumo de matérias-primas virgens (substituindo-as por matéria reciclada); concentrando esforços para diminuir a toxidade de seus produtos e aumentar sua vida útil; reduzindo o uso de energia elétrica, dentre outros.

Brasil começa a regulamentar uso de animais em experimentos


O Diário Oficial da União publicou na edição de 19/4 a aprovação de formulário que visa a regulamentar o uso de animais em experimentos científicos. O formulário foi elaborado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação e tem como foco a justificação por parte de cientistas da necessidade do uso de animais em testes e experimentos.
Além de coibir abusos, o Ministério procura fazer com que os cientistas utilizem os animais apenas em casos de extrema necessidade, já que, para a maioria dos experimentos, tecidos específicos do animal ou de células in vitro já possibilitam o trabalho dos profissionais.  A prestação de contas será feita a comissões de ética específicas, e as prestações servirão como base para a elaboração de relatórios anuais.
Esse é o primeiro passo de uma ação maior. Por ser um tema que exige ampla discussão, o Ministério realizará nos dias 13 e 14 de junho um simpósio sobre o tema, no qual serão capacitados gestores das comissões de ética locais em relação às normas do setor.
O abuso no uso de animais é uma triste realidade, mas a militância de organizações de defesa animal gradualmente acumulam vitórias, e os governantes estão começando a perceber a importância para a economia e para a sociedade dessa regulamentação, não só no meio científico, mas também para o entretenimento. A vigilância permanece, junto com o nosso apoio.
* Com informações de Consumidor Moderno

Faça um download de música e plante uma árvore


Se você curte ouvir rock e sempre baixa a sua música favorita pela internet, não pode deixar de participar da ação MudaRock, que nasceu do movimento Ecorockalista. A meta do projeto é plantar 1 milhão de árvores nativas para apoiar a iniciativa “Plantemos para o Planeta: Campanha Bilhões de Árvores”, do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).
Sim, você vai poder transformar seu download de música em árvores, que serão plantadas pelo Instituto Brasileiro de Florestas.
O principal homenageado é Erasmo Carlos, que está completando 50 anos de carreira. E para isso, dez bandas estão regravando versões inéditas de suas músicas mais famosas. Elas serão disponibilizadas gratuitamente. Para cada download de música, uma árvore no chão e um Certificado Digital de Plantio. Entre os participantes estão Cachorro Grande, CPM 22, Pato Fu, Fresno e Emicida. Participe!

domingo, 29 de abril de 2012

Curta 26 músicas que falam sobre o meio ambiente


Você não deve ter parado para pensar, mas muitas músicas já foram escritas sobre o meio ambiente. Seja para dizer o quanto é importante, seja pela sua preservação ou uma pura e simples crítica aos problemas enfrentados.
Muitos artistas e bandas, como por exemplo Michael Jackson, Queen , The Pixies, Talking Heads, Bad Religion, Elton John e The Pretenders já levantaram a bandeira da consciência ambiental em suas canções.
Confira a lista com as 26 melhores músicas  sobre o tema meio ambiente selecionadas pelo Huffington Post e busque sua inspiração para a melhor forma de salvar o planeta. Sem dúvida, fazer isso ao som de uma boa melodia para os ouvidos é melhor ainda.
  1. Bicycle Race – Queen
  2. What a Wonderful World – Louis Armstrong
  3. This Land is Your Land – Woody Guthrie
  4. Monkey Gone To Heaven – Pixies
  5. Where Do The Children Play? – Cat Stevens
  6. Don´t Go Near The Water – 2000 Digital Remaster
  7. The 3 R´s – Jack Johnson
  8. Gone – Jack Johnson
  9. Colors of The Wind – Vanessa Williams
  10. Mother Earth – Natural Anthem Album Version – Neil Young
  11. Black Waters – Jean Ritchie
  12. Circle of Life – Elton John
  13. Society – Eddie Vedder
  14. KyotoNow – Bad Religion
  15. Clear Blue Skies – Crosby, Stills & Nash
  16. Moon Over Marin – Matthew Good
  17. My City Was Gone – The Pretenders
  18. Mercy Mercy Me (The Ecology) – Marvin Gaye
  19. Bein´Green – Kermit the Frog
  20. We Almost Lost Detroit– Gil Scott-Heron
  21. Earth Day Every Day (Celebrate) – John Denver
  22. Earth Song – Michael Jackson
  23. The Update – Beastie Boys
  24. Strauss: Also sprach Zarathustra, Op. 30 (Thus Spoke Zarathustra)
  25. Big Yellow Taxi – Counting Crows, Vanessa Carlton
  26. Kids – MGMT

sábado, 28 de abril de 2012

DICAS ECOLOGICAMENTE CORRETAS

CAVACO E BRIQUETE = BIOMASSA
ATÉ QUE ENFIM OUÇO FALAR EM SOLUÇÕES TÃO ÓBVIAS.

COMENTAM COMO SE TIVESSEM DESCOBERTO A PÓLVORA, MEU DEUS. QUANDO O QUE FALTAVA MESMO ERA INICIATIVA, ATITUDE (DE VERDADE) QUE PRA MIM SE CHAMA TRABALHO.

SABE AQUELE MONTE DE TRONCOS, GALHOS, FOLHAS RESULTANTE DAS PODAS E CORTES DE ÁRVORES QUE VÃO/IAM PARA O ATERRO? POIS É, ELES PODEM SER TRITURADOS - OLHA QUE NOVIDADE! - PARA FAZER COMPOSTAGEM POR EXEMPLO E PODEM SER PRENSADOS E ASSIM SUBSTITUIR A LENHA, O CARVÃO.

PREGUIÇA FÍSICO-MENTAL É OSSO!!!

CAVACO - TRITURADO
BRIQUETE - PRENSADO

Planeta Sustentável O Movimento O Conselho Parceiros Sustentabilidade é Planetinha Sustentabilidade nas empresas Grupo Abril CPFL Energia Bunge Sabesp Petrobras Grupo Camargo Corrêa Caixa Quarta-feira, 17 de Agosto de 2011 Busca avançada atitude Marcos Lima Nelson Pedroso trabalhando na horta da Associação Global de Desenvolvimento Sustentável pela cidade Hortas urbanas Canteiros cheios de verduras e legumes transformam terrenos vazios ou degradados em espaços que geram renda e alimentam a comunidade - A A + Por Letícia de Almeida Alves Revista Arquitetura e Construção - 06/2008 Share27 Imagine canteiros repletos de pés de cenoura, alface e beterraba na acizentada paisagem da metrópole. Essas hortas existem e inspiram a população da capital paulista e municípios vizinhos ao mostrar que é possível ocupar, de um jeito nobre, áreas usadas como depósito de entulho ou como reduto da marginalidade. A ONG Associação Global de Desenvolvimento Sustentável (AGDS), de São Bernardo do Campo, foi uma das pioneiras dessa iniciativa. Há 21 anos viu nos terrenos da Eletropaulo que abrigam as torres de transmissão de energia a oportunidade de semear ali mudas de hortaliças. “Aqui era um verdadeiro lixão”, diz o presidente da AGDS, Nelson Pedroso, ao se referir aos terrenos da avenida Vivaldi, de 3 mil m2, onde 12 famílias pegam na enxada. SEMENTE VIVA O cultivo de hortas comunitárias em São Paulo tem efeitos exemplares. Não só leva a verdura fresquinha à mesa da população mais carente como requalifica os espaços urbanos. Áreas improdutivas e poluídas, sem fauna e flora, só prejudicam a vida nas cidades”, diz a arquiteta Noemie Nahum, da PUC-Campinas. Um problema que a prefeitura de São Paulo vem driblando com o Programa de Agricultura Urbana e Periurbana (Proaurp). “O principal objetivo é o combate à desnutrição”, diz a coordenadora Nísia Serroni. A iniciativa tem se mostrado eficiente para hortas em escolas públicas, mas as comunitárias ainda carecem de parcerias – pública e privada – para a semeadura. O que não intimidou o gaúcho Hans Dieter Temp. Há quatro anos ele criou a ONG Cidades sem Fome e hoje comemora 21 hortas em bairros da zona leste de São Paulo. A conquista mais recente é a área ao lado da escola municipal Arthur Chagas Júnior, em Sapopemba. PRAÇA DAS FLORES Onde antes nasceu a primeira horta da cidade de São Paulo, na avenida Radial Leste, esquina com a rua Bresser, será inaugurada, até o fim deste ano, a praça das Flores Alfredo di Cunto. Em um espaço de 10 mil m2, o projeto da subprefeitura da Mooca em parceria com a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente terá um viveiro de mudas para abastecer de flores e árvores frutíferas as praças dos bairros Pari, Belém, Brás, Mooca, Água Rasa e Tatuapé. No local também funcionará uma escola ambiental. PARA FAZER UMA HORTA Terrenos ociosos podem transformar-se em horta, desde que seja feito um contato com o proprietário ou com a subprefeitura da região para solicitar o uso do solo. É importante contatar um agrônomo para fazer a análise do solo. A Eletropaulo tem 2,9 milhões de m2 disponíveis em áreas sob linhas de transmissão (tel. 0800-7272120).

Quarta-feira, 17 de Agosto de 2011

atitude
Marcos Lima

Nelson Pedroso trabalhando na horta da Associação Global de Desenvolvimento Sustentável

pela cidade

Hortas urbanas

Canteiros cheios de verduras e legumes transformam terrenos vazios ou degradados em espaços que geram renda e alimentam a comunidade

- A A +
Por Letícia de Almeida Alves
Revista Arquitetura e Construção - 06/2008
Imagine canteiros repletos de pés de cenoura, alface e beterraba na acizentada paisagem da metrópole. Essas hortas existem e inspiram a população da capital paulista e municípios vizinhos ao mostrar que é possível ocupar, de um jeito nobre, áreas usadas como depósito de entulho ou como reduto da marginalidade. A ONG Associação Global de Desenvolvimento Sustentável (AGDS), de São Bernardo do Campo, foi uma das pioneiras dessa iniciativa. Há 21 anos viu nos terrenos da Eletropaulo que abrigam as torres de transmissão de energia a oportunidade de semear ali mudas de hortaliças. “Aqui era um verdadeiro lixão”, diz o presidente da AGDS, Nelson Pedroso, ao se referir aos terrenos da avenida Vivaldi, de 3 mil m2, onde 12 famílias pegam na enxada.

SEMENTE VIVA
O cultivo de hortas comunitárias em São Paulo tem efeitos exemplares. Não só leva a verdura fresquinha à mesa da população mais carente como requalifica os espaços urbanos. Áreas improdutivas e poluídas, sem fauna e flora, só prejudicam a vida nas cidades”, diz a arquiteta Noemie Nahum, da PUC-Campinas. Um problema que a prefeitura de São Paulo vem driblando com o Programa de Agricultura Urbana e Periurbana (Proaurp). “O principal objetivo é o combate à desnutrição”, diz a coordenadora Nísia Serroni. A iniciativa tem se mostrado eficiente para hortas em escolas públicas, mas as comunitárias ainda carecem de parcerias – pública e privada – para a semeadura. O que não intimidou o gaúcho Hans Dieter Temp. Há quatro anos ele criou a ONG Cidades sem Fome e hoje comemora 21 hortas em bairros da zona leste de São Paulo. A conquista mais recente é a área ao lado da escola municipal Arthur Chagas Júnior, em Sapopemba.

PRAÇA DAS FLORES
Onde antes nasceu a primeira horta da cidade de São Paulo, na avenida Radial Leste, esquina com a rua Bresser, será inaugurada, até o fim deste ano, a praça das Flores Alfredo di Cunto. Em um espaço de 10 mil m2, o projeto da subprefeitura da Mooca em parceria com a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente terá um viveiro de mudas para abastecer de flores e árvores frutíferas as praças dos bairros Pari, Belém, Brás, Mooca, Água Rasa e Tatuapé. No local também funcionará uma escola ambiental.

PARA FAZER UMA HORTA
Terrenos ociosos podem transformar-se em horta, desde que seja feito um contato com o proprietário ou com a subprefeitura da região para solicitar o uso do solo. É importante contatar um agrônomo para fazer a análise do solo. A Eletropaulo tem 2,9 milhões de m2 disponíveis em áreas sob linhas de transmissão (tel. 0800-7272120).

Wikipedia

Resultados da pesquisa

Seguidores

Barra de vídeos

Loading...
Ocorreu um erro neste gadget